7 Casas Imaginárias: Sete Caminhos de Identidade

Preço normal €19,08

Imposto incluído.

Autor: António Santos Leite
Edição/reimpressão: 2020
Formato: 170x240x13,6mm
Páginas: 200
Tipo capa: Capa mole 
Editor: Caleidoscópio
ISBN: 9789896585716

 

Sinopse

As “7 Casas Imaginárias, Sete Caminhos de Identidade”, são uma realidade que emerge a partir de uma genérica reflexão pessoal, necessariamente aberta e subjectiva, sobre o
significado da Casa enquanto razão e princípio de Identidade e de Arquitectura. Concretamente, a presente publicação – também ela um Eu, um alter-ego – resultou da reinscrição, revisão e ampliação de um conjunto de textos autónomos que fomos organicamente construindo e reconstruindo no tempo, complementados por novos textos e reflexões que se foram impondo, revelando e transformando pela síntese temática desencadeada pela presente publicação.
Na verdade, nesta reflexão assume-se determinada pelo reconhecimento tácito que fomos reconhecendo sobre a relação potencialmente fecunda entre a Casa, enquanto lugar arquitectónico matricial, e a expressão plena de um indivíduo potencialmente livre e subjectivo, relação essa que, muito mais do que uma mera relação quantificável e fisicamente construída, tende a revelar-se – ininterruptamente – metafórica e polissémica de sentidos; ou seja, tende a revelar-se como um âmbito fecundo que, no limite, como o ‘pressentiam os Românticos’, pode sintetizar física e simbolicamente a identidade e a própria vida. Com efeito, assumimos aqui como questão prévia da presente reflexão, a potência e o sentido do valor inscrito no conceito de Casa quando entendida matricialmente num sentido amplo e identitário, quando entendida como uma Casa identitária que se inscreve como Casa Mundo, Casa que para nós tenderá sempre a superar em muito uma estrita ‘verdade material’, dado que nela se consubstanciam, para o bem ou para todos os males, para ‘todas as esperanças’, muitas das condições fundamentais que nos determinaram identitariamente, uma vez que dela somos, e nela também somos, resultado e consequência de uma relação simbiótica única e irrepetível.