Arte, Museus e Memória: Imagem Marítima da Nazaré
Caleidoscópio

Arte, Museus e Memória: Imagem Marítima da Nazaré

Preço normal €17,65 Preço de saldo €19,61 Preço unitário por
Imposto incluído. Envio calculado na finalização da compra.
Autora: Dóris Santos
Edição: 12.2021 
Formato: 170 x 240 mm 
Páginas: 432, il. p/b e cor  
Tipo capa: brochada
Editor: Caleidoscópio 
ISBN: 978-989-658-726-0

Sinopse

A Nazaré emociona-nos, pela movimentação inquieta do mar e a dramaticidade das suas gentes, que resignadamente fazem perdurar tradições peculiares, das quais se orgulham através de um forte sentimento de pertença comunitária. Aqui, o mar alarga o horizonte e, hoje, surfistas de todo o mundo medem forças com as ondas grandes. Mas já outros heróis as desafiavam, em frágeis embarcações de madeira, buscando a subsistência familiar através da pesca. O perigo era companheiro da audácia, a observação expectante alternava com o reboliço do trabalho, na praia e entre as “esquininhas” da vila, onde a figura da peixeira, Nazarena das “sete saias”, continua a ser notória.
Cedo, a atração turística impôs a necessidade de discursos diferenciadores. Nacionais ou estrangeiros, todos possuímos uma ideia da Nazaré, onde a visualidade é determinante. Este é um dos objetivos do presente livro, analisar o contributo da arte, nomeadamente das artes visuais, na produção imagética sobre o mar e as comunidades marítimas tradicionais, bem como a sua apresentação em contexto museológico, a partir da Nazaré.
Revendo a tese de uma produção meramente descritiva ou conexa aos valores oficiais da cultura popular e à heroicidade do Estado Novo, este estudo pretendeu efetuar o levantamento da criação artística inspirada no
mar e na Nazaré, entre o final do século XIX e os anos 1970, apontando ideias para a sua revisão contemporânea. Discute ainda a legitimidade dessa produção, bem como os “usos” que dela foram feitos em prol de uma construção visual radicada em memórias marítimas.
Finalmente, sendo o mar um vetor essencial da identidade portuguesa, no domínio da sua ativação patrimonial e conservação memorial, apresentam-se práticas artísticas em museus marítimos nacionais e internacionais, discutem-se conceitos e como a arte estabelece conexões neste meio pluridisciplinar. Após uma breve incidência na história do Museu da Nazaré, reflete-se sobre as potencialidades das artes plásticas numa (re)programação do mesmo, na dialética memória / interpelação, e do modo como estas contribuem, na atualidade, para uma maior pluralização das representações sobre as comunidades litorâneas e do entendimento tradicional do mar.

Sobre a Autora

Doutorada em História da Arte – Especialização em Museologia e Património Artístico, pela Universidade Nova de Lisboa – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (NOVA-FSCH), foi galardoada com a 5.ª Edição do Prémio de Estudos em Cultura do Mar Octávio Lixa Filgueiras (CMI / Museu Marítimo de Ílhavo, 2021).
Mestre em Museologia e Património (2006), pela mesma faculdade, e licenciada em História, variante História da Arte, pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (1997), possuindo também licenciatura no Ramo Educacional do mesmo curso (1999).
É investigadora do Instituto de História da Arte da NOVA – FCSH, grupo de investigação MuSt – Museum Studies.
Autora e coautora de artigos e livros nas áreas da museologia, história da arte e história local, tendo como foco de interesse as leituras identitárias sugeridas pelas imagens e discursos museológicos, na sua relação com as comunidades.
Foi Técnica Superior no Museu José Malhoa, nas Caldas da Rainha; Diretora / Coordenadora do Museu Dr. Joaquim Manso – Museu da Nazaré.
É, atualmente, Diretora do Museu Nacional do Traje.