Depósito de Concentrados Alemães na ilha Terceira: A História de uma reclusão forçada (1916-1919)

Preço normal €19,08

Imposto incluído.

Autor: Sérgio Rezendes
Edição/reimpressão: 2019
Formato: 170x240x12,5mm
Páginas: 200
Tipo capa: Capa mole 
Editor: Caleidoscópio
ISBN: 9789896585570

 

Sinopse

 Iniciada a 1.ª Guerra Mundial, Portugal após dois anos de hesitações e polémicas resolveu entrar declaradamente no conflito. No início de 1916, a falta de embarcações por parte de Inglaterra levou a que Portugal confiscasse os barcos alemães ancorados nos seus portos, alguns deles nos Açores, instigando uma declaração de guerra que conduziu à reformulação do estatuto dos súbditos alemães em Portugal, em especial se em idade militar. Um dos locais escolhidos para os concentrar foi o forte de São João Baptista, em Angra do Heroísmo, ilha Terceira. O fluxo inesperado de centenas de prisioneiros num espaço muito curto de tempo, levantou uma série de problemas às autoridades portuguesas, agravados por uma crise económica que obrigou a uma gestão de mestria, dada a falta de resposta imediata para as constantes necessidades. Dentro do contexto bélico internacional, procurou-se dar as melhores condições aos concentrados, tarefa complexa em virtude dos atribulados tempos económicos que se passavam. Com o Armistício, o Depósito de Concentrados Alemães na ilha Terceira ganhou uma nova dinâmica, uma vez que com a saída dos prisioneiros à cidade, gerava- se a possibilidade de conflitos entre alemães e portugueses.